domingo, setembro 24, 2006

PERGUNTAS DE UM ESPAÇO PEQUENO

Porque estou aqui?
Porque significo tanto?
Porque me pergunto coisas que não sei responder?


Muitas são as perguntas, e não digo que são poucas as respostas, porque as respostas mesmo nem eu sei. Por isso me vejo aqui, nesse mundo perdido, sem significância e nem destino.
Ao certo, vim para uma missão, algo inexplicável.
Mas o lugar onde me encontro é tenso, desesperador. Castigo onde vejo que a liberdade é inexistente.
Corrupção, máfias, tráficos....tudo isso vejo ao meu redor. Quando poderei saber se existe gente boa?
Políticos querendo acabar com o nosso país, pais matando filhos, crianças se protituindo, a droga tomando conta do nosso "espaço", que mesmo "pequeno" me faz sentir que a missão é algo de bom.
Nesse "pequeno espaço", sentada pensativa, lágrimas rolando, entre linhas digo o que não faz sentido na vida de muitos, mas o "espaço" me fez enxergar a grande besteira que fiz.
Uma jaula. Um inferno!
Pessoas gritando, tirando o meu sono.
Nossa! Quanto tempo que não sei o que é dormir!
Quanto tempo sem o gosto da comida da "velha".
O cheiro que já me esqueci.
O barulho da batida do portão. Hoje, são as grades do silêncio.
O grito de alguém deseperado, pedindo socorro num lugar tão frio e sem cor.
A esperança onde mora o destino.
Meu coração bate tão forte quando ouço um barulho diferente, acho que é algo para o começo da missão. Se sou importante para estar aqui, algo de muito bom me espera. Uma coisa muito espetacular tenho a fazer.
Meu Deus! Quando isso vai acabar???
Quando voltarei? Se um dia voltarei...
Tenho a esperança em mim, mas a vida não me traz tantas de uns dias atrás.
O meu sono eu mesma já tirei com os gritos que sai de minha garganta. Já não deixo ninguém dormir, muito menos sonhar com a esperança.

Porque ainda estou aqui?
Que missão tenho a cumprir?
Está chegando o dia da liberdade. Será que realmente ela existe? Mas com que asa irei voar?

Dessa vida penso em acordar, mas ao mesmo tempo já morri.
Sem reação para lutar, jogar tudo pro alto e ir....com asa que me descançar.

Um dia desses sonhei com uma cor: branca, que se diz "paz".
Preferia ter sonhado com vermelho do meu sangue, a realidade que me encontro aqui.

Nesse "espaço" vazio, sem cor, sem perfume, sem esperança, sem alegria, sem a "luz".
Porque ainda me encontro aqui?
A missão ainda está por vir....


Nenhum comentário: